quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

A Trégua - Mario Benedetti

Terminei a leitura de A Trégua com o coração em frangalhos e muitas (muitas!) lágrimas na face... O choro copioso, como há muito não sentia, me permitiu extravasar a dor que experimentei com Santomé, o personagem principal da trama. 

Certamente vivi com esta obra um desses momentos inesquecíveis na nossa vida de leitores; um desses espaços ou lugares nos quais entramos através da literatura que são capazes de apagar temporariamente a distância entre a pessoa e o texto. Não há distinção mais entre você e o personagem, entre o passado e o futuro, entre a dor do outro e a sua. Eu era Santomé por um espaço de "tempo" onde o próprio tempo (que separa) não existia mais... Eu e ele estávamos unidos na dor mais absurda e indizível; eu era ele e ele era palpável em mim e não apenas um personagem... Eu, ele, a dor de existir e sermos finitos, a dor de sermos sujeitos ao tempo, à morte... ele-eu e a dor de não podermos nos agarrar em nada mais além de nós mesmos. 

Ah, meu caro Benedetti; como você consegue isso? Como você me faz sair completamente de mim mesma para me encontrar tantas e tantas vezes nas dores e alegrias de outros... E, depois do choro, eu, uma outra que não conheço e eu mesma novamente. Eu mesma, mas uma nova pessoa sempre. Uma pessoa que aprecia e deseja ardentemente essa capacidade poética de viver não apenas a minha própria vida, mas seguir encontrando mundos possíveis a partir das histórias de outros.

No post em homenagem ao Benedetti que fiz para o 365 escritores (aqui) comentei que uma das características que mais me chama atenção nos romances do escritor urguaio é justamente sua habilidade incrível no campo da construção dos personagens. A Trégua confirma essa virtude da escrita de Benedetti e nos leva a conhecer um Martín Santomé inesquecível. Impossível ficar imune a este homem simples, de vida pacata e desinteressante. Sim, é isso mesmo que você leu: Santomé é um homem comum, sem nada de extraórdinário, de heróico ou muito transcendente. A forma como o conhecemos pouco a pouco através do seu diário também não tem nada de fenomenal; em alguns momentos chega a ser até maçante (dá vontade de sacudir o Santomé, rs).

Mas aí vem a trégua... aquele momento de descanso; a paragem temporária de hostilidades. Aquele contexto, tempo, que te permite refletir. E é nessa trégua (com muitas interpretações no livro) que conhecemos Martín Santomé.

Mais não digo, não posso! Vá você mesmo conhecer, se surpreender, se perder e se encontrar em vários momentos do texto. O livro merece que você se perca na leitura, tenha certeza.

Alguns trechos que não comprometem a leitura para deixar aqui um gostinho desse belo livro:

"Quando se está no prórpio foco da vida, é impossível refletir. E eu quero refletir, medir o mais aproximadamente possível esta coisa estranha que está me acontecendo, reconhecer meus próprios sinais , compensar minha falta de juventude com meu excesso de consciência"

"De repente, tive consciência de que aquele momento, aquela fatia de cotidianidade, era o grau máximo de bem-estar, de Ventura."

"Esta manhã tomei um ônibus e desci na agraciada com 19 de Abril. Há anos não andava por aqueles lados. Alimentei a ilusão de estar visitando uma cidade desconhecida. Só agora me dei conta de que me aconstumei a viver em ruas sem árvores. E como podem ser irremediavelmente frias!
Uma das coisas mas agradáveis da vida: ver como o sol se filtra por entre as folhas. "

E, é claro, as pérolas de Benedetti que eu amo:

"O cardápio preparado por Blanca foi o ponto mais alto da noite. Naturalmente, isso também predispõe ao bom humor. Não é de todo absurdo que um frango à portuguesa me deixe mais otimista do que uma tortilla de batatas. Nunca terá ocorrido a nenhum sociólogo efetuar uma cuidadosa análise sobre a influência das digestões na cultura, na economia e na política uruguaias? Como comemos, meu Deus! Na alegria, na dor, no assombro, no desalento. Nossa sensibilidade é primordilmente digestiva. Nossa inata vocação de democratas se apoia num velho postulado: "Todos precisamos comer".

;)

16 comentários:

  1. Talvez eu comece a ler Benedetti justamente por este livro, Denise, pois é o único que tenho aqui! Como sempre seu relato de leitura é emocionante e dá vontade de ir correndo ter uma experiência parecida. Beijinho!!! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comece por esse sim, Lua!E intercale futuras leituras do benedetti com a poesia dele: imperdíveis!
      Beijos, linda!

      Excluir
  2. Arrebatador, não? :)
    Devo confessar algo que não comentei no vídeo: li as últimas páginas no banheiro do trabalho haha
    É que fui de ônibus, mas - infelizmente - não deu tempo pra concluir a leitura no trajeto.
    Não tive dúvida: arranjei um cantinho pra terminar de ler.
    Não chorei, mas ficou um nó gigante no peito. Acho que foi o livro (juntamente com "Uma aprendizagem... - olha só o combo que vc arranjou!) que mais me deram vontade de chorar, só que fui educada na pseudo-nobre arte de dissimular esse desejo.
    Fico feliz que tenha se envolvido tanto.
    Seu texto, pra variar, ficou poético e me fez revisitar as sensações que tive com a leitura.
    Sinceramente, me dá uma tristeza perceber que o a gente chama de felicidade não passa do somatório de pequenas tréguas (pelo menos em um dos possíveis sentidos do termo colocado no título). Aguardo ansiosamente a minha próxima.
    Parabéns pelo texto! Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thays, vc não sabe o que eu passei: terminei de ler A Trégua em uma quinta e Uma Aprendizagem no sábado seguinte completamente acabada, rs.
      Um combo e tanto mesmo!
      E essa de terminar no banheiro foi demais! ;)
      Mas não dava para parar a leitura: entendo!
      Obrigada e muitas tréguas para você!

      Excluir
  3. Exatamente o que eu senti De!! É um livro inesquecível com certeza! Não chorei tanto no final, mas quando acontece o momento mais triste (não vou falar pra não dar spoiler, mas vc sabe!). É muito muito triste, porque você via aquela coisa boa nascendo na vida dele e de repente...
    Impossível esquecer esse nome né? Santomé!
    Beijo enorme, amei a resenha!
    Tati

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Impossível esquecer Santomé: concordo!
      (E eu acho que chorei mais no momento posterior ao climax quando Santomé visita a mãe de A.: nossa que cena! ;)
      Beijos, Tati! obrigada!

      Excluir
  4. Ó,De, nem vou comentar nada alem de que adorei o texto, tá... rs..
    Ai ai ai, ainda procurando comprador de rim... Ando querendo dispor de um dos meus!! rs

    Xêros
    Paty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Paty!
      Esse ainda dá para achar por um preço bem legal da coleção da Folha. ;)
      Beijos!

      Excluir
  5. Oiiii!!
    Estou doida para entrar de cbç (rsr) nesse autor sei que vou gostar pelas suas impressões...
    Estou terminando Deuses Americanos.
    Bjk


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol,
      ainda não li o Gaiman, acredita?
      Mas vou começar pelo Sandman, yey!
      Abraços e boas leituras!

      Excluir
  6. oi Denise
    eu li esta beleza de livro no começo do ano passado, logo depois de ler primavera...não resisti ficar sem o Benedetti hahaha

    o mais bacana é a sensibilidade das personagens. São todos muito palpáveis...parece que vou encontrar com eles logo ali na esquina.

    Adorei o livro, não cheguei a chorar mas me senti na pele de Santomé e por ele senti aquele nó.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dee,
      acho incrível a forma como o Benedetti constrói seus personagens: exato, dá para pensar que eles podem ser encontrados e são reais como nós!
      Beijos! E muito mais benedetti's para você! rs

      Excluir
  7. eu amo tanto esse livro. se me perguntassem que livro eu gostaria de ter escrito, a trégua seria minha escolha.

    ResponderExcluir
  8. Amei esse livro! Benedetti nos mostra a grandeza das nossas pequenas e grandes escolhas de vida... Recomendadíssimo!!
    Olha aqui pessoal que não leu ainda: http://portugues.free-ebooks.net/ebook/A-Tregua

    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Boa noite LINDA ! Estou publicando a minha ANTOLOGIA EXCLUSIVA UNIVERSAL, e nela eu incluo Mário Benedetti; fazendo a busca, cheguei aqui e devido a esta LINDA apresentação do A TRÉGUA, vou incluir o seu blog na matéria. Sou Antonio Cabral Filho, que em vossa presença emigra; do pinto que não quer milho, João Cabral que lhe diga. Mas acesse...http://academiacelestialdeletraseartes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá, seja bem-vindo(a),
responderei seu comentário aqui mesmo.
Abraços,