quinta-feira, 4 de julho de 2013

Ondjaki!

Ndalu de Almeida nasceu em 1977 (ele também! ;) em Luanda. É sociólogo (formado em Lisboa), poeta, escritor e, acima de tudo, angolano. Escolheu ser Ondjaki, seu pseudônimo na escrita, e também cosmopolita. Já morou em Portugal, nos Estados Unidos e no Brasil (aqui no Rio!); mas é sempre de Luanda e para Luanda com amor, como sua obra transparece.

Uma das características de Ondjaki é, aliás, sua multiplicidade na unidade: começou escrevendo poesias, mas também enveredou pelo campo do teatro, da pintura e do cinema antes de se fixar como escritor. 
.
O documentário Oxalá cresçam Pitangas - histórias de Luanda, filmado com Kiluanje Liberdade e finalizado em 2007, o alçou ao reconhecimento internacional também no domínio da sétima arte (e vale muito o clique - confira aqui).

No campo da escrita, Ondjaki começou na poesia com o livro Actu Sanguíneu (o jogo de palavras é uma característica de sua escrita desde então). 


"poema atoado, com sol
Ondjaki
"estou pertinho e quero brindar contigo: meu coração é um voo de sol"
(Aurelino Costa, poeta português)

... e meu sol é um coração
abençoado
em sal e candura
em busca do rumor das andorinhas
depois do eco
das primaveras.

sento-me à berma da tarde
na esquina do mundo
meu sonho é a montanha adormecida
minha utopia é o veneno
na maça mordida

...e o meu sol
é um voo pelo lado salgado
de um coração
em ternura

ora busco um bosque
ora busco quentura

e a qualquer momento
a qualquer hora
o meu coração é um voo de sol
chicoteando
o dorso do meu desalento...

...se o meu sol segue em paz
- e eu desatento -
é que o sabor do que não vivi
me mantém vivo
me traz alento..............................."

(Lindo, lindo, lindo! O meu coração também é "um voo de sol chicoteando o dorso do meu desalento", Ndalu! E também sobrevive ao sabor do que ainda não conheceu tanto quanto do que vivi... ;)



Ondjaki brilha também nos contos; e se amanhã o medo, livro que saiu pela coleção ponta de lança da língua geral, é um belíssimo conjunto de contos nos quais o autor escolhe tratar do tema que une os contos (o medo) também através de homenagens à vários escritores e músicos brasileiros e portugueses e  intertextualidades. 

Logo no primeiro conto deste livro, A Libélula, a música de Adriana Calcanhoto embala a escrita de uma forma cativante!

"Um som fluido abandonava a casa, roçava na poeira das trepadeiras no jardim, influenciava as mangas e os mamões no seu processo de maturação, arrepiava uma libélula inebriada que ali adormecera, fazia o sol abrandar e chegava ainda forte, ainda nítido, ao ouvido da mulher. Depois disto, um sorriso. (...)" 

Trecho inicial de A Libélula, conto que pertence a coletânea e se amanhã o medo de Ondjaki.
(A música em questão é a linda Sudoeste)

(Para quem quiser saborear um pouquinho mais da escrita de Ondjaki, leia aqui o conto A esquina na íntegra! ;).

Uma das características da escrita de Ondjaki que mais me instigam é sua capacidade de falar de coisas duras, duríssimas, com esse jeito poético - que é agora só dele - meio "moleque"; um jeito que combina um humor leve e meio matreiro com a extrema delicadeza (é bem como um sorriso charmoso e um olhar penetrante no meio de uma lágrima, entendem? ;). Isso, o seu amor por Luanda e o jogo de palavras que ele usa me instigam bastante! Ando querendo ver os desenvolvimentos de sua escrita em outras áreas também, uma vez que Ondjaki escreveu também romances, textos infantis e juvenis; e, ainda, uma tese de mestrado sobre o grande Luandino Vieira. (E com a minha idade, gente! rs rs)  





Obras de Ondjaki para prestar atenção :

Bom dia camaradas - O seu primeiro romance (publicado em 2001).
Avó Dezanove e o segredo soviético - Romance que ganhou o prêmio Jabuti em 2010 na categoria juvenil.
Quantas Madrugadas tem a noite - Porque só com esse título já me ganhou de cara! (Update: Li este livro recentemente e amei - falei sobre ele neste vídeo aqui)
Os da Minha Rua - ganhou o Grande Premio de Conto Camilo Castelo Branco em 2007.
Materiais para a confecção de um espanador de tristezas - Poesia!
dentro de mim faz sul e acto sanguineu - mais poesia! ;)

Os Transparentes - seu último livro publicado (aqui no Brasil foi lançado mês passado pela Companhia da Letras); já estou completamente "louca" para ler este livro! (leia mais sobre o lançamento e sobre o documentário aqui e aqui).


*Texto originalmente publicado pela autora no extinto blog 365 escritores.

5 comentários:

  1. Oi Denise! Adoro seu blog e seu canal. Ainda não conheço o Ondjaki, mas fiquei super curiosa depois de um video em que vc fala super bem do Quantas madrugadas tem a noite ( amo esse título). Ah! Queria sugerir um vídeo com indicações de livros sobre a história da política brasileira ou algo do gênero, já q vc é cientista política achei que seria interessante. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kátia,
      obrigada! Esse título é fantástico mesmo e o livro uma delícia! ;)
      Ótima sugestão: farei assim que possível!
      Tem uma lista do Antonio Cândido na rede que é dos 10 livros sobre o Brasil mais importantes e eu acho ótimas as escolhas dele, dá uma olhada.
      Beijos!

      Excluir
  2. Não conhecia. Vi a entrevista dele no Sangue Latino, do Canal Brasil. Gostei tanto que fiquei louca para conhecer a obra.

    ResponderExcluir
  3. Oi Denise. Estive lendo alguns dos contos de Ondjaki. E da literatura infantil inicio um trabalho onde uso o jogo sensorial e o texto de O Voo do Golfinho. E neste momento estou tentando qualificar essa dramaturgia de Ondjaki. Seu post é interessante. Mas fica aqui uma pergunta: quem é este Ondjaki quanto escreve para crianças?

    ResponderExcluir
  4. Olá Denise. Tenho lido alguns livros de Ondjaki. E recentemente inicio um trabalho educativo onde mesclo a sensorialidade e o texto O Voo do Golfinho. Você faz algumas colocações interessantes sobre este autor em seu post. Mas fica aqui uma pergunta: quem é Ondjaki quando escreve para crianças? Como qualificar o trabalho deste autor em O Voo do Golfinho?

    ResponderExcluir

Olá, seja bem-vindo(a),
responderei seu comentário aqui mesmo.
Abraços,